A biofilia na arquitetura e no design

Um conceito que tem o poder de nos reconectar com a natureza.

A relação entre homem e natureza foi se modificando com o passar dos tempos. A revolução industrial e a era digital desencadearam comportamentos que fizeram com que a harmonia com o meio ambiente se perdesse, ou ficasse em segundo plano. Mas os dois últimos anos nos mostraram que tudo se transforma, e encontrar o que é essencial para o nosso bem-estar nunca foi tão importante.

E nesse cenário de reconexão, a biofilia inserida no ramo da arquitetura e design traz o verde para dentro e coloca o lar como protagonista, um espaço de refúgio que acolhe, traz paz e conforto. Usada primeiramente por Edward Osborne Wilson, um biólogo norte-americano, a biofilia nada mais é que a tradução literal de “amor às coisas vivas”.  

Inserir esse conceito em ambientes residenciais, ou seja, utilizar a vegetação ao nosso favor, é de extrema importância para nos aproximar da natureza e todo o seu poder restaurador. Dentro desse lifestyle, o estilo “Urban Jungle”, ou “Selva Urbana”, ganhou força. Mas engana-se quem pensa que para isso são necessárias grandes intervenções, ou ambientes amplos.

Se não for possível contar com espaços no chão para vasos grandes, ou paredes inteiras para um jardim vertical, existem no mercado diferentes suportes que podem auxiliar a presença de plantas em imóveis pequenos, como por exemplo, “porta vasos” que elevam as peças e livram um pouco o espaço inferior; suportes de parede que mantém os vasos suspensos e decoram com charme e até hortinhas, muito bem-vindas na cozinha. Ou seja, se tem cuidado e amor às coisas vivas, já é biofilia.

Falando em jardins verticais naturais, se houver a possibilidade de colocá-los, para que durem de forma adequada é necessário que tenham sistema de irrigação automático. Além da instalação, é importante fechar com a empresa especializada a manutenção periódica com reposição das plantas que estiverem secando, pois elas precisam de todo um conjunto saudável para se manterem bonitas.

Para escolha das plantas é importante pensar em volumes cheios e, em pendentes, assim elas podem esconder e camuflar o sistema de irrigação e todos os suportes de sustentação existentes. Se tiver dúvida sobre as espécies mais adequadas, procure um paisagista, ou peça auxílio na hora da contratação do serviço.

Além do verde, materiais naturais, iluminação e ventilação estão no centro desse estilo de projeto de arquitetura e interiores. Esses elementos são importantes para a aguçar a criatividade, melhorar a qualidade de vida, regular o humor, a temperatura corporal e o ciclo circadiano, como já explicamos no blog. Se quiser saber mais sobre esse assunto, clique aqui e confira o texto sobre os inúmeros benefícios da luz natural.

Outro conceito interessante de mencionarmos é a neuroarquitetura, que é a neurociência aplicada à arquitetura, que estuda e explica o impacto da arquitetura na vida das pessoas e tem relação direta com a biofilia.

A biofilia para a arquitetura pensa na natureza para dentro e a neuroarquitetura pensa em criar ambientes mais saudáveis. É nisso que elas se complementam, ou seja, uma ajuda a outra em seu objetivo.